quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Opinião :: "Pede-me o que quiseres"

"Pede-me o que quiseres" pode muito bem ser as Cinquenta Sombras Espanholas porque mesmo não ficando deveras impressionada com a base da história ou com os personagens (especialmente Eric), eu não desisti até ver o fim ao livro só para chegar à conclusão que, devido às últimas páginas, vou obrigatoriamente querer ler o segundo porque preciso de saber o que se vai passar a seguir.
Encontrei outro guilty pleasure...
e tenho imensa curiosidade de ler este livro em espanhol!
Confesso que adorei encontrar semelhanças entre Judith e outras "Judites" que conheço do pais vizinho!


Sinopse

Basta-nos ler a sinopse para saber que Judith e Eric vão muito rapidamente misturar negócio e prazer.
Judith levava uma vida perfeitamente comum, com referência até a um amigo de longa data com quem de vez em quando as coisas aqueciam mas certo dia, os seus encantos marcadamente latinos não passaram despercebidos aos lindos olhos do seu chefe, Eric Zimmerman. Este, levando as coisas aos estereótipos europeus, é o típico homem alemão, frio, distante e demasiado sério, especialmente segundo os padrões de Judith (e os meus).
Mas como se costuma dizer, "os opostos atraem-se" e rapidamente vemos iniciar algo que se assemelha a um romance mas que tem sérios contornos de uma relação Dominador/submissa.
Os gostos de Eric são algo peculiares e embora Judith não seja nenhuma novata no que toca ao prazer, temos de reconhecer que se encontra a jogar em campo desconhecido (e com audiência)
 Como disse anteriormente, encontro diversas semelhanças entre a dupla Eric/Judith e Christian/Anastasia.
Personagens masculinos dominadores, as femininas submissas, os gostos sexuais e a iniciação da companheira aos mesmos. 
Perdoem-me quando comparo este livro aos de E L James. No entanto, e após ler tantos livros deste género, começo a ver que alguns pontos nunca se alteram. Se por um lado temos o homem bonito, rico e dominador, pelo outro a mulher frágil, social e profissionalmente submissa e que acaba por ceder (por vezes até um pouco contra vontade) a todos os caprichos do outro. 
Queridos autores, precisamos de ver outras personagens nestas histórias!

A recorrente utilização da palavra mórbido/a tirou-me um pouco do sério porque, ao meu ver, não se encaixa no tipo de livro que estava a ler. É tipo água e azeite, não se misturam, não no meu mundo. Mórbido não é algo que associe a sexo e se o fizer, é devido a alguma história macabra de necrofilia. Garantidamente esse é um livro erótico que eu não quero ler nem ouvir falar.
No entanto, durante a leitura senti muita curiosidade em saber como este ou aquele momento está escrito na versão original e lá para meio pensei que talvez o mórbido, para os espanhóis, não tenha uma conotação tão negra como para nós.

mórbido

  1. adj. Que padece enfermedad o la ocasiona.
morboso, enfermizo, patológico, malsano, insano, nocivo

Se pegar na definição até consigo compreender a utilização da palavra. Eric cria Judith um desejo devastador e agradá-lo torna-se uma necessidade sob a qual não tem controlo. É doentio o efeito que Eric tem sobre ela mas as cenas quentes não chocam os comuns mortais. Pelo menos não me chocam a mim!
No entanto, a constante utilização do mórbido/morbidez torna-se aborrecida. Consigo pensar em duas ou três palavras que conseguiam descrever a excitação dos dois e a depravação das cenas, mesmo aquelas em que a cama de dois, passa a ser a de três ou quatro.

Sim, AVISO, esta história pode conter cenas que vão contra a moral e os bons costumes MAS, na realidade, quantos dos últimos livros eróticos publicamos anteriormente não vão!?

Com isto tudo, não deixei de gostar e de ter interesse em ler mais. Quero saber onde é que isto vai dar e o facto de a história se passar aqui tão perto, cria muito mais interesse do que uma numa local que não conhecemos. Sempre gostei de ler livros em que a acção passava por ruas ou pontos de referência que me são familiares e com "Pede-me o que quiseres" tive essa sensação. O mesmo se passa com as personagens. Confesso que me ri ao encontrar conhecidos e ex colegas de trabalho por estas páginas fora.


Por isso, a todos os que, como eu, gostam de um bom livro erótico, sugiro a compra deste livro.
Não tarda nada está ai o segundo.
O sucesso de Megan Maxwell e a sua quantidade de seguidoras, que carinhosamente apelidou de Guerreras, é mais que prova que esta trilogia vai dar que falar.
Sigam a autora no Facebook

E já ouvi dizer que o segundo volume - Pede-me o que quiseres, agora e sempre - será lançado em Fevereiro de 2014.
GOSTO !

http://www.planeta.pt/livro/pede-me-o-que-quiseres-2

2 comentários :

Helena Duque disse...

Agora fiqeui MESMO curiosa! :D

Jaqueline Duarte disse...

nossa muito estingante...acho que quero te-lo em minha coleção!!!rsrs