Pesquisar neste blogue

A carregar...

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Camas Politicamente Incorrectas da Sexualidade Contemporânea - Opinião

 
A minha opinião:
O que tinha eu em mente quando optei por ler este livro? Algo completamente diferente do que recebi quando o abri e constatei que falava menos de cama e mais do que o nos levou até às camas que temos hoje. Camas politicamente incorrectas da sociedade contemporânea foi para mim uma grande lição de história, de psicologia, de costumes, de moral sobre um tema tantas vezes visto como imoral, o sexo, e do bom, sff. Não é assim que toda a gente vê o tempo presente, mas vivemos uma época que tem cada vez menos tabus. Mas como chegámos até aqui?
Ler este livro foi como abrir a porta do quarto a mil e um conceitos que nunca vi ou nos quais nunca parei para pensar. Variei de um estado de plena concordância, de acenares afirmativos até aos esgares de completo desentendimento e percepção do que lia. Começo a achar que ler tantos livros eróticos me está a queimar os neurónios, dando-me mais aptidões para a prática e cada vez menos para a teórica sobre o tema.

Terminei este livro na cama, curioso eu sei e vi, quase que um por um, aparecem as personalidades que são mencionadas no livro. Se eu já tinha muitos pensamentos na cabeça das diversas alturas em que estou entre lençóis, então acabei de adicionar mais um.
Se todos nos deitamos na cama que fazemos, pergunto-me: que cama tenho eu?
Porque eu não a encontro neste livro.

E a vossa, será que lá está?
:)

Uma leitura com o apoio

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O Toque do Highlander :: Opinião

Damn you, Karen Marie Moning!!
É o primeiro pensamento que tenho quando este livro me cai no colo e eu sou puxada para dentro dele, como a personagem principal é bruscamente sugada para um século que não o seu.
Eu bem tento me afastar destes livros mas não consigo. É mais forte do que eu e sinceramente, não me importo nada. Ao ler este, que é suposto ser o 3º livro da colecção, tenho uma imensa vontade de me levantar, pegar na carteira e sair disparada para o primeiro local que tenha os livros todos para eu os comprar, trazer para casa e lê-los todos seguidos. Parece-me um óptimo plano mas a carteira discorda comigo, enquanto refunde o multibanco num canto bem escondido.

Já li O Amante Imortal em 2010 mas voltava a lê-lo, de preferência, na ordem correcta. Curiosamente foi uma leitura de férias naquele ano :)
 A Saída de Emergência foi publicando esta colecção por outra ordem mas pelo que já me disseram a leitura alternada não compromete o conteúdo dos outros livros, anteriores ou posteriores que ainda temos por ler.
Como por esta altura já estão todos lançados....ahh vou ter mesmo de os ler e quero começar no primeiro -Highlander - Para Além das Brumas

(foto elsar....com a elsa tb!)
» Excerto «

A minha opinião:
Ora pois onde posso eu encontrar um objecto que me envie para o Castelo Brodie nas Highlands? 
Não há?! Pois, já calculava, isto soa sempre demasiado bom para ser verdade. 

Como já referi anteriormente, eu adoro livros que tenham lugar nas Highlands. Gosto de toda a dinâmica dos clãs, das descrições dos terrenos, dos castelos....faz-me viajar sem sair do meu lugar.
Embora com traços comuns a tantas outras histórias do género, com o feroz guerreiro e a intrigante mulher que lhe toma as rédeas do coração, "O Toque do Highlander" apresenta um elemento que faz com que esta história seja diferente, pelo choque de culturas. Imaginemos duas pessoas separadas por 700 anos que são confrontadas com a vida uma da outra, com os costumes e maneirismos. É normal achar que não podiam ter uma realidade mais distante mas, no entanto, Circenn e Lisa estão tão próximos um do outro, quer física como emocionalmente. Entre tantos séculos de distância encontram o que cada um mais necessitava, a sua outra parte. Lisa, uma mulher do século XXI obrigada a abdicar da sua vida para subsistir a mãe que está doente e Circenn, um guerreiro do século XIV que embora cuide do seu clã criou à sua volta muros bem altos que o protegem da dor que é perder os seus ente-queridos ao longo da sua vida imortal. Ambos encontram um no outro o balanço que a sua existência requer. Ambos têm decisões a tomar que vão contra a sua natureza protectora e honrada mas no fim, por mais duras que são as voltas que têm que dar, encontram o caminho de volta um para o outro.

"O Toque do Highlander" vai raptar amantes das Highlands, dos bons diálogos, de boas doses de comédia e acima de tudo, dos que gostam de um bom romance.

Uma leitura por conta da
Saída de Emergência

Agora vou em missão de arranjar os outros.
Tomem conta de vocês!
Boas leituras!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Hotelle - Quarto 1 :: Opinião

(foto ElsaR)
 
Sinopse

A minha opinião:
Quando comecei a ler a história de Elle pensei na Vivian, a nossa tão conhecida Pretty Woman mas rapidamente larguei essa ideia. Vivian procurou e encontrou o príncipe no cavalo branco, Elle foi encontrada por ele (e pelo irmão!).
Torna-se acompanhante de luxo por necessidade mas também porque está aborrecida, porque almeja uma vida que a sua humilde origem não lhe permite viver.
As voltas que a sua vida dá como acompanhante são mínimas quando comparadas com o tumulto que se inicia na sua cabeça e no seu corpo no momento em que David entra na sua vida e em que começa a receber as mensagens e mandamentos secretos por parte de um homem desconhecido.

Há quase um vislumbre de Síndrome de Estocolmo entre Elle e o seu "captor", aquele homem misterioso que a vai seduzindo, a vai atormentando, física e psicologicamente. Embora ela não seja sequestrada, visto que se desloca de livre e espontânea vontade aos encontros no Hotel dos Encantos, é o seu corpo que está prisioneiro do prazer e da auto-descoberta imposta pelos mandamentos do homem mistério.

 Será este mais um romance eróticos desses que se encontram às resmas nas prateleiras?
Hotelle - Quarto 1 é igual a tantos outros mas com nuances que o tornam bem diferente e único. Rico em detalhes, isso é, um festim para os sentidos e não apenas nas descrições dos momentos picantes mas em todo o ambiente que envolve Elle e o jogo de sedução e intrigas em que se vê inserida. É majestosa a descrição dos quartos que compõem o Hotel dos Encantos e, pessoalmente, adoro as curiosidades contadas por Louis sobre Paris e as personalidades conhecidas.
O mais interessante é que Elle nem é de todo a personagem mais interessante, embora seja a principal. Para mim, o interesse está nos irmãos Barlet, cheios de segredos sobre um passado que Elle vai descobrindo a cada capítulo. 

Hotelle - Quarto 1 tem uma história dotada de detalhes, de uma capacidade de fazer voar o imaginário romântico e erótico de cada um de nós mas uma apresenta algumas falhas, principalmente na personagem principal e na decisão final que toma.
Mas deixo o carácter e as decisões de Elle sob o escrutino de cada um dos leitores que decida ocupar o Quarto 1 do Hotelle.

Quanto à classificação, dou um excitante e erótico laranja avermelhado a Hotelle. Embora o livro viva muito em torno do enredo mundano de Elle e da sua descoberta pessoal/sexual e das pessoas que a rodeiam, as cenas no Hotel dos Encantos podem abalar a consciência moral de umas quantas pessoas, por isso, vamos lá coloca-las na categoria 3 - "Ai meu deus, o que é isto? AKA Porno"

Agora fiquem com referência musical que fecha o livro e a história da protagonista.


No fim do livro temos a oportunidade de consultar uma longa playlist com músicas e líricas que se inserem na perfeição na história de Elle e dos quartos no Hotel dos Encantos.
 Além da playlist, é de salientar a extensa lista de sugestões de leitura erótica que eu terei todo o gosto de ter em conta. Se quiserem, posso partilhar aqui convosco.

Boas leituras!

sábado, 17 de agosto de 2013

Comecei a ler...

Sim, sim, já não estamos cá estamos mas assim não se esquecem de nós.
Por aqui, rumo a férias, iniciei a leitura do livro a que chamam o MELHOR LIVRO DE 2013 na categoria de romance. As boas críticas que tenho lido em alguns blogs e no goodreads fizeram com que o último livro de Jojo Moyes, autora que nunca li antes, tenha vindo comigo para casa na Feira do Livro de Lisboa deste ano. Eu tento resistir mas ainda comprei uns 3 ou 4 livrinhos para mim. Eu sei, eu sei, não dá para resistir!

»Excerto«
Sinopse
Lou Clark sabe muitas coisas. Sabe quantos passos deve dar entre a paragem do autocarro e a sua casa. Sabe que trabalha na casa de chá The Buttered Bun e sabe que não está apaixonada pelo namorado, Patrick. O que ela não sabe é que vai perder o emprego e que todas as suas certezas vão ser postas em causa.
Will Traynor sabe que o acidente de motociclo lhe tirou o desejo de viver. Sabe que agora tudo lhe parece triste e inútil e sabe como pôr fim a este sofrimento. O que não sabe é que Lou vai irromper na sua vida com toda a energia e vontade de viver. E nenhum deles sabe que as suas vidas vão mudar para sempre.

Em Viver depois de ti, Jojo Moyes aborda um tema difícil e controverso com sensibilidade e realismo, obrigando-nos a refletir sobre o direito à liberdade de escolha e as suas consequências. 

"Quando terminei a leitura deste romance, quis voltar a lê-lo" New York Times

Quem é que teve a mesma sensação?
Fiz uma boa escolha para leitura de férias?

Para todos...
Boas leituras!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

É o Efeito dos Livros em férias


NOVIDADES!!

Eu sei que é para Setembro mas gostei tanto do primeiro que fiquei realmente contente por ver a data de lançamento do 2º livro.
Para quem, como eu, gostou de Jogos Perversos de Shayla Black, então anote na agenda o dia 6 de Setembro pois será lançado...
Saída de Emergência
Chancela: Chá das Cinco
 
Sinopse
Kimber Edgington é uma virgem de vinte e três anos que está apaixonada, desde a adolescência, pela estrela de rock Jesse Mcall. Kimber sabe que estão destinados um para o outro e sonha com um casamento, mas a fama e viagens de Jesse tornaram-no uma celebridade conhecida por todo o tipo de aventuras sexuais.
Determinada a provar que é uma mulher à altura para Jesse, Kimber recorre à ajuda do guarda-costas Deke Thornton, um amigo de longa data, e implora-lhe que a inicie no mundo do prazer. Embora Deke a avise de que está a brincar com o fogo, aceita, não querendo que a beleza inocente da jovem seja manchada por outros. É então que Deke e o seu amigo Luc dão a conhecer a Kimber as delícias do êxtase. O que Kimber ainda não sabe é que talvez não seja Jesse o homem certo para realizar os seus sonhos, afinal, é Deke quem invade as suas fantasias…
 
Críticas de imprensa
«Ler esta história vai causar-lhe deliciosos arrepios no corpo!»
Angela Knight

«Uma delícia perversa desde a primeira à ultima página. Adorei!»
Lora Leigh, autoda da série Breeds

Leituras para férias

 Estou a fazer a mala e dou por mim a pensar "vale a pena ir carregada?".
Sei que todas as distracções, adultas e infantis, me vão roubar o precioso tempo de leitura. Não me importo, sabe-me bem intercalar umas páginas de leituras, com uns mergulhos e umas brincadeiras.
A minha companhia para férias, além da família, são estes dois livrinhos:

O Toque do Highlander termina esta noite (com muita pena minha), antes de partir de férias. Estou cheia de vontade de ler os outros todos....TENHO de ter esta colecção toda!
Acho que vou perder a cabeça e compra-la toda :)
Raios, Karen Marie Moning!!

Bem....
fechar a mala e tratar dos últimos preparativos.

Boas leituras!!

«LIVRE» de Cheryl Strayed - Opinião

S-T-R-A-Y-E-D

Strayed é sinónimo de alguém desviado, perdido... sinónimo de vaguear, sem destino, sem rumo... mas é também sinónimo de ultrapassar limites, sair fora do pensamento normal e comum...

Para mim, Strayed seria sinónimo de:
M-E-D-O!!!

O medo é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisica como psicologicamente.

descarga de adrenalina + ansiedade = M-E-D-O
medo + medo = P-A-V-O-R

E quem tem pavor e medo não anda sozinho, ou anda? Talvez não, mas quem é Strayed - perdido, isolado, desviado vai e não anda simplesmente: C-A-M-I-N-H-A e caminha muito, são mais de 1500 kms em cerca de 3 meses pela floresta entre o deserto do Mojave e o estado de Washington, com o objectivo de atingir a Ponte dos Deuses, naquele que é o percurso do PCT - Pacific Crest (scenic) Trail.


Cherly Strayed é a autora de WILD ou LIVRE, em português, uma das últimas novidades literárias da Editorial Presença - mais informações do livro aqui. Se quiserem podem começar por ver o vídeo da própria autora, senão deixem para o final que é uma excelente surpresa e completo à leitura.


Se preferirem podem começar pelo excerto facultado pela Presença, e vejam o mapa do percurso, bem como a leitura das primeiras páginas, tomando contacto com as primeiras batalhas que Cheryl travou na sua vida, a doença da mãe e a decisão atribulada de caminhar no PCT, como solução à balburdia em que se torna a sua vida.


Antes de vos falar propriamente da leitura, não posso deixar de vos falar da Lista de Livros Queimados no PCT - não vos vou contar porque são queimados - isso descobriram na leitura do livro - mas se eu já queria ler Flannery O'Connor, Coetzee, Faulkner ou Eudora Welty... junto-lhes agora «The Novel» por James Michener e «The Dream of a Common Language» de Adrienne Rich... o Guia do PCT talvez não, mas um de Santiago de Compostela ou da Rota Vicentina talvez acompanhem as leituras e projectos de 2014.


No entanto, não vos posso dizer que ler «LIVRE» seja um factor motivacional para fazer uma caminhada de longa duração, o sofrimento, os motivos de Cheryl ou as provações são desmesuradas, algumas pelo desconhecimento da própria, mas outros pelo desconhecido que é caminhar na Natureza selvagem.

Vejo «Livre» como um diário de bordo, não tanto da caminhada, mas da viagem interior que a autora fez. Um relato, que segundo a mesma não tem parte alguma de ficção, portanto, entendo-o assim como um relato sofrido, pesado, rebuscado e que rebusca no interior da sua mente, os seus medos, as suas perdas, as memórias de criança e as decisões que cedo tomou e se viu compelida a fazer.
As descrições da morte da mãe e dos seus pesadelos com as formas de a matar novamente, talvez seja a melhor forma de o dizer, são duros, exageradamente duros!

"Quem é mais rijo do que eu?"
"-Ninguém!"


"Se a coragem lhe faltar - exceda a que tem." Emily Dickinson

Devo confessar que a única coisa de que senti falta no livro foi uma maior descrição de cenários, já que o PCT, tem o nome consigo - scenic, mas na ausência dessas descrições, registei todos os nomes, parques, lagos e locais de passagem e desde a leitura tenho apetrechado a minha mente com cenários lindíssimos. E isso sim, é factor de motivação suficiente para partir para a dureza de uma caminhada deste calibre.

E para caminhar, se os sons da Natureza não chegarem , carreguem o Ipod ou o MP3 e façam-se ao caminho (... não se esqueçam das pilhas... e do peso que elas representam ;) por isso deixo-vos com Stevie Ray, uma escolha musical da autora.



E depois de 1730 kms, 3 meses, 6 unhas dos pés caídas, feridas várias, cobras, neve, chuva, calor de derreter, falta de dinheiro, encomendas atrasadas, pés doridos (é pouco)... botas apertadas... Orgulho e Alegria são de certezas sentimentos sentidos entre tantos outros. Eu acrescentaria R-E-A-L-I-Z-A-Ç-Ã-O!


BOAS LEITURAS E BOAS FÉRIAS
*
Uma leitura com o apoio

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Resultado Passatempo - «O Peso da Fama»



E mesmo quase antes de irmos de férias, não podíamos deixar de registar o vencedor de mais um passatempo.

«O Peso da Fama» cujo o passatempo terminou a 31/07/2013.



De entre todos os participantes, a participação vencedora é Rosário Fernandes.

Aguardamos o envio dos teus dados (nome completo e morada) para envio posterior (só em Setembro) do livro «O Peso da Fama». Por favor, utiliza: efeitodoslivros@gmail.com.

Obrigada a todos pelas participações, partilhas e divulgações.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

"O Bairro" :: Opinião

 
 Sinopse

A minha opinião:
Gosto de personagens femininas fortes. Diana é assim! Comanda o grupo, domina o Bairro e é senhora dona de si mesma. Entrou logo a matar, não literalmente mas com uma boa fala, uma que não deixa dúvidas quanto à sua natureza forte e decidida.
Lá em casa já toda a gente leu este livro. A mãe diz que gostou do livro mas não quer ver o filme ou a série, fica pelo seu imaginário. Eu tenho de "tirar a limpo" quem foi escolhido para ser algumas das personagens marcantes deste livro.
Nunca tinha lido Francisco Moita Flores, parece-me que escolhi bem em começar por este livro. A sua escrita é credível, demonstra um óptimo conhecimento de campo, é uma história de policia-ladrão à portuguesa, passada na minha Lisboa e que eu li num ápice.
 Confesso que tive de registar mentalmente duas ou três terminologias para não me perder no sentido da conversa (eu cá chamo a um jornal um jornal, não um papagaio!). Os diálogos entre as personagens, quer entre pares ou "inimigos" têm momentos simplesmente hilariantes. De início ainda dei comigo a pensar "para ser mais credível só precisava de ter um filão de asneiras associado a cada conversa" mas honestamente, captamos a essência das pessoas, das suas acções e do meio em que vivem sem recorrer a estes termos. Pior, damos por nós a entender os seus motivos, a origem da sua raiva e as escolhas que os levaram para os caminhos que percorrem.

"O Bairro da Estrela Polar" pode ser qualquer um aqui de Lisboa, o grupo de Diana uma amostra do que podemos ver e conhecemos da juventude que se vê limitada, de mãos e pés atados e que, por escolha ou submissão, optam pelo caminho do crime.

Mas o fim....ai o fim!
O fim merecia ser bem melhor do que algo que parece ter sido escrito a correr. Até pensei "saltei uma página" mas não, estava certa.
Faltava justiça poética para encerrar o destino de Diana. Porque toda a história assim nos disse
"só assim conseguimos sobreviver, senão, morremos a tentar"

Entretanto, como o filme ainda se encontra em cena em Lisboa (no Alvaláxia), decidi ir ver ontem. Estou a preparar a minha opinião (não muito favorável), depois divulgo aqui sob a tutela dos "livros que se tornam filmes".

Boas leituras e bons filmes!

Colecção Romances Sensuais :: 5ª Essência

(actualizado com as críticas e novidades editoriais a 1 de Outubro de 2013)

Quem é que não conhece os livrinhos da fitinha de cetim?
Esta colecção é a razão porque comecei a ler livros eróticos. Dizem os mais puros que estes livros poucos pontos somam quando comparados aos verdadeiros livros eróticos mas o que me interessa, se eu realmente eu os gosto de ler.

Quando o primeiro livro desta colecção me caiu nas colo nunca pensei que fosse apreciar o género. Confesso que o primeiro foi lido sem grande vontade e não suscitou um interesse muito grande, talvez porque era um dos menos interessantes que li até hoje.
No entanto, desde 2009 eles têm-me chegado às mãos e quando não encontram o seu caminho até mim, eu vou mesmo à procura deles.
Deste modo, acabei por completar esta colecção no início do ano e embora ainda me faltem ler 2, gostava de partilhar convosco, compilado num único post, todos os livros que já passaram por aqui e que compõem a colecção "da fitinha" (como dizem as minhas amigas!)

"O Fruto da Paixão" de Noelle Mack

"A Flor do Desejo" de Cherie Feather

 (a aguardar leitura - Sinopse)

"Noites de Paixão" de Cheryl Holt

"Tabu" de Jess Michaels

  (3º livro da série Irmãs Albright)

Ligações Proibidas de Cheryl Holt

Escravos do Amor de Kate Pearce

  (1º Livro da série A Casa do Prazer)

A Força do Desejo de Jess Michaels

  (4º livro da série Irmãs Albright)

Entrega Total de Cheryl Holt

Escravos da Paixão de Kate Pearce

(2º Livro da série A Casa do Prazer)

Novidades que ainda tenho de adicionar à minha biblioteca
De Olhos Fechados
BERLIN, EVE
De Olhos Fechados
Sinopse
(não está disponível na minha estante)

 Sinopse
(1º livro da série Irmãs Albright) 
 (não está disponível na minha estante)

Sinopse
Última aquisição :D 

Novidades Setembro 2013
 Sinopse

(3º Livro da série A Casa do Prazer) 

- ainda não está disponível na minha estante

Quantos é que já leram? Concordam com a classificação dada a cada um dos livros?
O que me dizem desta colecção?  Gostam dos livros até agora editados?
Alguma sugestão para um próximo lançamento da 5ª Essência?

Venham novos livrinhos, nós agradecemos!

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Comecei a ler...

Sinopse
Em que camas andamos a deitar-nos?
Eugénia de Vasconcellos deita-nos em quatro camas politicamente incorrectas.
Deitamo-nos numa cama de casal, é certo, mas uma cama de casal é para quantos? Quantas vezes nos deitamos a pensar que somos dois e descobrimos que afinal somostrês? E se formos quatro? E se uma cama de dois não for sempre a mais feliz dascamas?
Deitamo-nos em quatro camas. Numas há escândalo, noutras frustrações, em muitas há pecado e culpa. Agora, digam: se uma cama não for uma cama de religião, arte e emoções, se para a cama não levarmos pensamento e os cinco sentidos, poderá essa cama ser uma cama de desejo?
 A cama em que nos deitamos é antiquíssima. Este é o livro que vai deitá-lo numa cama de bom sexo, colchão e lençóis novíssimos.

Mais informações no site

"O Império dos Homens Bons" :: Opinião

Uma viagem ao passado, que nos leva a caminhar nos dias quentes de Moçambique, enquanto acompanhamos a vida e obra do Padre Montanha e as intrigas que existem em todas as vilas, seja aqui, Inhambane ou em qualquer parte do mundo. 


A minha opinião: 
Confesso que inicialmente não me sentir particularmente interessada na história do Padre, especialmente a ligação com Leonor. Em primeira instância era apenas mais um homem a sucumbir aos desejos animais, a alimentar a besta que o consumia de desejo pela mulher que se passeava ingénua (ou astuta) semi desnuda pela casa, a fazer a lida. No início não conseguia desligar que ele se estava a aproveitar da escrava Leonor e da sua posição superior de membro do clero. Tudo mudou com o decorrer da historia do dia a dia de Inhambane, uma terra em que a Coroa não consegue ter mão, cheia de mexericos, tumultos e governadores que ninguém parece respeitar e aceitar como válidos para o lugar. Vemos o romance do Padre com Leonor assumir contornos íntimos, sem querer estragar a historia a ninguém permito-me só dizer que por vezes há relações em que não são necessárias conversas para as coisas serem percebidas e entendidas pela outra parte, por vezes o silêncio carregado, um olhar mais demorado ou uma caricia consegue denunciar o que uma torrente de palavras não consegue dar a entender. Presenciamos todo o quotidiano de uma vila se desenrolar debaixo dos nossos narizes e queremos saber qual será o destino das personagens, principalmente daquela que mais abominamos (honestamente quase todos os Governadores) e as que mais gostamos (Fornazini e Padre/Leonor).
 "O Império dos Homens Bons" é uma magnifica obra biográfica e imagino o quanto deve ser espectacular conseguir vascular no passado da nossa família e encontrar alguém que localmente ou além mares, tem uma história tão curiosa para contar. 

Pessoalmente, embora reconheça a qualidade da história, gosto muito mais das histórias actuais escritas pelo autor, isto, das que já tive oportunidade de ler ("O Homem que Sonhava ser Hitler" olha para mim cada vez que passo pelas estantes na casa da mana). Não me escapa até ao final do ano! 

Uma pequena nota: Gostei particularmente do capitulo 31 que conta uma pequena história dentro da narrativa principal. Um amor desmedido de corações jovens que num misto de inocência, manha e loucura acabam por contribuir para o pandemónio que é Inhanbane. Eu gosto deste pequenos momentos que tornam a narrativa principal bem mais rica e interessante. Boas leituras! 

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Os livros da estante "por ler"

Será que toda a gente tem um cantinho na estante ou uma prateleira inteira de "livros por ler"?
Eu tenho uns quantos, da última vez que contei eram 33....agora nem sei quantos são.
Ainda ontem entrei no supermercado para comprar pão e tinha saído de lá com mais estes 5. E só não eram 6 porque não estava lá o Inferno de Gabriel, que ando a cobiçar faz tempos (sério de que já tenho o segundo volume, ser ter lido o primeiro!)
Destes 5 pelo menos dois passam para a lista de leituras a curto prazo, no entanto, ao olhar para a estante percebi que antes destes, tenho mais uns quantos para colocar na mala até entrar de férias e os restantes, seguem de viagem comigo para o Sul de Portugal.

A verdadeira história do Capitão Gancho - P.D. Baccalario
A paixão de K - Miguel Miranda
Viver depois de ti - Jojo Moyes
O toque do Highlander - Karen Marie Moning
Camas politicamente incorrectas da sexualidade contemporânea - Eugénia de Vasconcellos
Não te quero matar - Dan Wells
Amores Altamente Perigosos - Walter Riso

Agora com licença que vou escolher a próxima leitura.
Boas leituras!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Comecei a ler...

Comecei a ler ontem e já estou quase a terminar. 
Já andava a olhar para ele faz tempos e finalmente chegou a hora de ler a história de Diana, a "rainha" do Bairro Estrela Polar.

Sinopse:
Diana nasceu no bairro da Estrela Polar. Algures em Lisboa. Um daqueles bairros cercado por estradas com muito movimento, isolado da cidade, voltado sobre si, feito de gente que veio de todos os lados do mundo. No Estrela Polar existe o café Futuro de Portugal, dirigido pelo Bazófias, carteirista reformado, burlão de grandes talentos. É aqui que se reúne a quadrilha agora encabeçada por Diana, líder conhecida como a «Robin dos Bosques», que rouba aos ricos para dar aos pobres. Comandados pela bela Diana, Tosta Mista, Zé Cigano, Francisquinho, Batman, Clara, Manela e Paulo monopolizam o tráfico de droga no bairro, deixando a polícia sempre desorientada, e organizam-no para que o crime seja actividade rentável para sair da crise. Quanto mais não seja para financiar a organização do arraial de recolha de fundos para a construção do centro social da igreja do bairro. Diana dirige assaltos e operações perigosas mas não é assassina. Mas a raiva que habita no seu coração contra os homens que destruíram o pai, tem cada um deles uma bala à espera. É essa a sua obsessão. Uma história dos nossos dias, que consegue cruzar a violência com o humor, a ternura e a união de personagens pícaras do submundo do Portugal do século XXI.
 

Sabem o que me espera este fim de semana?
O filme com a Maria João Bastos. Pergunto-me se pelo que já li, vou gostar de a ver no papel de Diana.



Boas leituras e já agora, bons filmes!

"Sorte Explosiva" :: Opinião




 
A minha opinião:
Stepanhie é um desastre à espera de acontecer. As suas histórias mirabolantes vão-nos entretendo durante estes dias de verão e não nos aguentamos sem rir com os trambolhões que dá, quer na sua vida profissional, quer na amorosa.

Tenho pena de não ter lido o livro anterior, Perseguição Escaldante

A Stephanie viaja para o Hawaii e o trabalho acaba por se misturar com o lazer.  Eu não me importava de fazer a mesma coisa. Ficar de papo para o ar numa praia no Hawaii a ler, não que ler seja um trabalho ou uma obrigação mas eu continuo a dizer que não me importava nada....MESMO! Não me querem oferecer o livro com o bilhete de avião como marcador ? :) 

Como dizia antes de ter começado a sonhar com viagens e praias de águas cristalinas, tenho pena de não ter lido o livro anterior. Na realidade, tenho pena de não ter lido os 16 livros que nos contam a trapalhona que Stepanhie consegue ser na execução do seu trabalho como caçadora de recompensas. 
Duas coisas úteis que vos posso dizer antes de começarem a ler este livro:
1-  vejam o filme. 
Até pode não ser a melhor coisa do mundo mas dá-nos uma base simpática sobre a nossa personagem principal e como tudo começou.
2 - Preparem-se para rir. 
Temos de estar de péssimo humor para não nos rirmos com as situações caricatas em que Stephanie se mete. Além disso, as pessoas que a rodeiam são tão ou mais loucas que ela. Não, eu diria que Lula é bem mais maluca que Stepanhie. É sem duvida a minha personagem preferida, só diz e faz disparates.
Juntas são uma dupla imparável, nem sempre bem sucedida mas sem sombra de dúvida extremamente divertida.
Mais caricato ainda é o triângulo amoroso que ficamos a conhecer. Ou será uma sandwich amorosa, visto que Staphanie encontra-se dividida entre o policia Moretti e o misterioso Ranger, ou seja, entre dois grandes "pães".
Não se preocupem que mesmo sem terem lido o anterior, este livro vale por si só e ainda nos conta o que se passou no Hawai para deixar Stephanie em tão grande embrulhada que é aquela em que se encontra com os dois homens da sua vida.

Agora é esperar pelo próximo a ser editado cá porque na versão original já podemos ler "Notorious Nineteen" e, previsto para Novembro de 2013, temos "Takedown Twenty", o que já se fala de ser o último livro da série.

(Katherin Heigl, a actriz escolhida para ser Stephanie no cinema e a autora, Janet Evanovich)

Como já tinha verificado durante a leitura de Gula Perversa, a escrita de Janet prende-nos e passam-se páginas e páginas sem nos darmos conta. É compreensível o sucesso de vendas que a autora é em todo o mundo. Apresentou Stephanie ao mundo e puxou para dentro desta colecção todos os leitores (ou leitoras) que gostam de se rir com os trambolhões dos outros e que agora, querem saber "afinal como é que isto vai acabar? Com qual dois dois é que ela vai ficar?"

Já a minha questão é outra...
Vão agora de férias e não sabem o que levar para ler?
Peguem em vocês, desloquem-se à livraria mais próxima e comprem logo os dois livros da colecção. Vão despachá-los em meia dúzia de horas enquanto trabalham para o bronze.
Esta é realmente uma companhia acertada para o Verão (aproveitem e levem também o Gula Perversa, é de outra colecção mas ninguém se zanga!)

Até lá, boas férias e bons momentos de leitura!

PS: costumo publicar uma foto alusiva ao livro de que publico opinião mas o que tinha planeado para este não foi exequível. No entanto, vou-me preparar para o próximo! "Me aguardem!"

Meu querido mês de Agosto

Este blog mais parece um deserto! 
Estamos mesmo em Agosto. Uma metade anda fora e dentro, a outra anda a estafar-se nas suas últimas semanas de trabalho antes das tão merecidas férias. 
Se isto está calmo agora, imaginem quando estivermos as duas a apanhar sol numa qualquer praia do litoral alentejano.

A minha conta de livros para ler é grande mas igualmente elevada é a quantidade de livros que tenho para publicar opinião. Sou a ovelha negra da família em ritmo de leitura e em publicação de opiniões...
tudo atrasado, shame on me!

Mas tenho de me redimir e prometo que hoje isto ganha ritmo :)

Boas leituras!