terça-feira, 23 de setembro de 2014

Opinião "Aqui e Agora" de Ann Brashares

A história de “Aqui e Agora” faz-nos pensar nos pequenos acontecimentos que parecem insignificantes agora mas que podem ter consequências de proporções inimagináveis. 
Enquanto lia este livro, dei comigo a pensar naquela velha frase que toda a gente já ouviu um dia
“O bater de asas de uma borboleta em Tóquio pode provocar um furacão em Nova Iorque.”
Já pensaram no quanto aquilo que fazemos hoje terá influência nos acontecimentos do futuro? E se fosse possível voltar atrás e corrigir alguma coisa, será que melhorava ou apenas desencadeava uma nova sequência de eventos igualmente desastrosos?

Prenna não é deste tempo, veio de um futuro que não conseguimos, nem queremos imaginar. Um mundo devastado por doença, fome e catástrofes, tudo aquilo que hoje a grande maioria de nós evita pensar enquanto diz da boca para fora “não há nada que eu possa fazer” ou “os que vierem depois que se preocupem”. Toda a evolução do mundo actual tem um lado negativo e as consequências dos nossos actos presentes fazem-se sentir no tempo em que Preena imigra para o passado juntamente com um grupo de quase mil pessoas. Todos juntos adaptaram-se a um novo tempo, a novos costumes, a uma realidade abençoada onde há abundância e onde fazem os possíveis para se integrar sem serem notados, sem se envolverem. São uma comunidade que segue 12 regras muito importantes e restritas, que primam pelo secretismo, precaução e afastamento dos nativos daquele tempo mas Prenna sente que há um laço que a liga a uma pessoa fora da comunidade e essa relação pode ser o ponto de ruptura ou de viragem para a nossa heroína, a sua comunidade e o mundo inteiro.

Conhecemos Ethan no primeiro capítulo do livro e é com a chegada de Prenna ao nosso tempo que somos brindados com uma nova história e ficamos cativados pelo livro, pela ideia do “o que será que vai sair daqui?”.
É-nos apresentado uma ideia de um futuro que pode não estar assim tão longe, onde a evolução tecnológica ocorre velozmente mas sem conseguir fazer frente ao mais antigo inimigo da espécie humana, nós próprios.


“Aqui e agora” é um livro que se lê rapidamente mas que não nos prende por inteiro. É simples, a ideia da comunidade é inteligente, mas todo desenrolar torna-se confuso quando surgem, pelo menos, umas três perguntas na minha cabeça e que ficam sem resposta. Podia ser daqueles livros que fazem parte das tão afamadas trilogias de que temos sido fãs recentemente mas até ao momento, é um livro único, com principio, meio e fim. Haverá quem o leia que diga que havia mais para explorar, enquanto outra parcela de leitores diz que já tudo foi esticado até ao máximo. Eu penso que a combinação de um tema tão actual como as alterações climáticas e a ideia de viajar no tempo se agrupam muito bem com a história de um novo amor que tem tudo para ser normal até a irresponsabilidade mundana de uma tarde de praia quando sabemos que o dia seguinte irá mudar para sempre a nossa vida e o destino do mundo.

Um livro, que acima de tudo nos temos de recordar ser dedicado a um público jovem que com toda a certeza não devorou todas as séries, livros e filmes que nós já tivemos oportunidade de ficar a conhecer e que por isso nos toldam o pensamento quando tentamos avaliar objectivamente a história de "Aqui e Agora".
Um pequeno livro sobre o quanto o nosso presente influencia o futuro, por isso, façam valer as vossas acções e pensam que "colhemos o que semeamos".

Uma novidade

Relembro que está a decorrer o passatempo para ganhar um exemplar deste livro. Já participaram?

1 comentário :

ℒ ღ disse...

Adorei a opinião, muito sincera e bem conseguida, já tinha lido outras que não me deixaram com tanta curiosidade de ler este livro e tirar as minhas próprias conclusões.
Já está na lista de livros para ler.
Obrigada :)