Pesquisar neste blogue

A carregar...

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Opinião "Seduz-me"

O infame pirata St. John e a bela viúva Winter, que adorável par traiçoeiro que se junta nesta teia de segredos, sedução e justiça que é o mais recente livro de Sylvia Day, "Seduz-me".


Christopher St John já nos é familiar da leitura de "Obstinada". Oh vá lá, quem não ficou rendida ao misterioso e perigoso pirata que atire a primeira pedra. Quem não o ficou a conhecer antes, faça um favor a si própria e leia "Obstinada".
Voltamos a encontrar Christopher St. John, desta vez numa das pontas da conspiração que o poderá ilibar das acusações que finalmente a Agência conseguiu impingir contra ele. Um pirata digno da sua reputação tem muitas razões para ser preso, condenado e enforcado mas St. John não teria a fama que tem se tivesse sido apanhado mais cedo e tão facilmente.
Mas desta vez o caso tem uma ponta solta e esta pode ser a parte da corda que sela o destino em torno do seu pescoço. A sua liberdade em troca da vida de outra pessoa. Que dificuldade terá um pirata nesse acordo? Nenhuma. Que impedimento terá St John? Um muito grande, especialmente depois de conhecer Maria Winter.

Do outro lado do ringue tem aquela que é talvez a única concorrente à altura do desafio humano que que é St. John.
Lady Winter, duas vezes viúva, é uma mulher tão bela como perigosa.
Dizem os rumores que os seus dois maridos não morreram de velhos e que há qualquer coisa na vida desta viúva invernal que não bate certo.
Mas as aparências que o mundo conhece, são exactamente o que se vê à superfície não o que estes dois realmente são.

Por debaixo do perigo, das decisões a sangue frio e da habilidade para lutar pela sua sobrevivência acima de tudo está a lealdade para com os que lhes são próximos, os segredos que fazem buracos na sua couraça e o fogo que secreta e lentamente os começa a consumir.

Quem sairá com vida desta história?
Haverá possibilidade de duas personagens tão infames terem um final feliz?

Sylvia Day nunca desilude. Embala-nos com graça, faz-nos começar a gostar das personagens, deixa-nos na ponta da navalha e depois...
dá-nos aquilo que queremos desde o início, não sem antes nos fazer bater com a cabeça um bocadinho. Caso contrário, que graça tinha.

Mal posso esperar por ler o próximo. Não sei qual é mas se for na onda dos anteriores...QUE VENHA ELA.
Eu tento encontrar um preferido mas neste momento consigo apontar três.
Já leram algum dos seus romances históricos publicados pela Quinta Essência?



Sem comentários :