Pesquisar neste blogue

A carregar...

sábado, 11 de março de 2017

Opinião "O Universo nos teus olhos"

"Para leitores que procuram histórias de amor fora dos estereótipos"
Booklist


Nunca conheceram duas pessoas como Jack e Libby.
Existem milhentos parecidos pelo mundo fora, com certeza até algum semelhante na nossa vida passada ou presente, mas nenhum com as características que tornam Jack e Libby nas pessoas que são hoje e que nos conquistam por completo neste segundo livro de Jennifer Niven, "O Universos nos teus olhos".

Jack pode ser o sr. popular na escola mas é um esforço diário manter a persona que apresenta aos outros. Devido ao problema neurológico raro que tem, e do qual ninguém sabe a não ser ele, Jack esforça-se desumanamente para reconhecer a família e amigos, dando assim a aparência de levar uma vida normal de um adolescente de 17 anos. No entanto, esse esforço destrói-o um pouco mais a cada dia.
Já Libby regressa nesse ano à escola, após um afastamento de 5 anos e depois de 100kgs perdidos.
Em tempos o desgosto levou a melhor e a comida tornou-se o seu refúgio, até ser impossível voltar atrás. Mas essa Libby não aquela que regressa agora à escola, determinada em seguir os seus sonhos.
Mas por vezes basta um acontecimento para mudar tudo e para colocar em rota de colisão duas pessoas que à primeira vista são o mais distante possível uma da outra.
Estará Jack disposto a abandonar a segurança da sua popularidade para que toda a gente saiba a verdade?
Poderá algum dia Libby ser vista sem a etiqueta que todos continuam a querer cravar-lhe na pele?
Continuaremos eternamente a atacar os outros para esconder as nossas próprias falhas?

Libby e Jack ensinam-nos uma lição, uma que miúdos e graúdos deviam interiorizar para o seu próprio bem.
Tu és desejado, tu és importante e não deixes que ninguém te rebaixe, te pise ou te diga que és uma merda, que não vales nada ou algo merdoso deste género.
(não estou a asneirar por acaso! merdoso é mesmo aquilo que o irmão mais novo de Jack, Dusty "Castiel", chama aos que gozam com os outros)


Acho que em adulta continuo a precisar de ler livros assim, como um lembrete que todos nós precisamos de ser mais fieis a nós mesmos, mais bondosos connosco e com os outros.
Ao contrário de "Fala-me de um dia perfeito", este não me destruiu emocionalmente. Antes pelo contrário, despertou-me para a realidade, possibilitou-me a introspecção sobre o meu amor próprio e abriu-me os olhos para um par de coisas, em especialmente aqueles que preciso de ver com cada vez mais claridade no papel de mãe.

Dá-me uma tremenda vontade de divulgar este livro junto dos putos da escola e oferecer um exemplar a todas as bibliotecas. Não seria só deste mas de mais uns quantos. Os miúdos precisam de cultivar o seu lado literário e blábláblá mas tudo era mais fácil se soubessem de antemão que existe a forte possibilidade de encontrarem alguém nas página dos livros que de alguma maneira lhes diz algo, que lhes transmite força, segurança ou que lhes mostra que não somos a soma dos nossos defeitos aos olhos dos outros mas um grandioso amontoado de tudo, do bom e do mau.


Jennifer Niven
Força! 
Estou preparada para o próximo.
Entretanto acho que esta é uma boa prenda de natal para uma ou duas pessoas que conheço.

"O Universo nos teus olhos" é uma novidade
Relembro a opinião 

Sem comentários :