terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Opinião "Amor com travo agridoce"

Quando li a sinopse de "Amor com travo agridoce" pensei "opah isto vai dar pano para mangas".
Uma amante de lingerie e entusiasta boleira embeiça-se por um top Chef de cozinha com fama de rufia.
Que mais posso dizer? 
Estavam ali todos os ingredientes para uma suculenta sobremesa, daquelas de lamber colher, dedos e prato. Mas à semelhança do que já me aconteceu tantas vezes, faltou fermento ou aquele ingrediente chave que torna o bom em extraordinário


  Conhecemos Daisy no dia a dia entre casa, cuja a renda luta por pagar, e a loja de lingerie vintage na qual trabalha. O seu grande sonho era conseguir publicar o livro que passou os últimos dois anos a preparar mas o vasto conhecimento sobre lingerie não vai fazer de Daisy uma autora publicada. No entanto, a sua "Big break" é capaz de estar para breve, ou assim prevê o seu agente literário que a manda, à semelhança do que deve acontecer com muita gente que leva o seu projecto ao mundo editorial, apimentar um pouco as coisas, criar uma história que incorpore os seus conhecimentos, as suas paixões e um ingrediente secreto.
Por entre bolos e ideias, Daisy decide ser arisca e aceitar um convite que não lhe era destinado, colocando no seu caminho o conhecido e controverso Michael Amiel, um cozinheiro francês que tem tanto de interessante como de cliché.
Entre uma carreira que já teve melhores dias, uma mudança para a capital inglesa e uma namorada que o leva a tribunal, Amiel tem as mãos cheias e parece resolver isso com confusão e copos, chegando até a ser salvo por Daisy numa ou outra ocasião.

E é num momento espontâneo entre ambos que a grande ideia surge na cabeça de Daisy e Lucy Lovecake começa a ganhar forma. Uma personagem bem feminina que dá concelhos sobre encontros, lingerie e receitas mas que até à data de lançamento terá de se manter secreta. E uma vez colocado o bolo no forno, não se pode espreitar ou tudo corre o risco de ruir.
Poderá o segredo do seu projecto, concorrente (de certo modo) com o de Amiel, arruinar as possibilidades entre eles?
Estará Daisy preparada para açambarcar todas as atenções que inevitavelmente o seu livro lhe trará?
Haverá volta a dar uma vez que o mal esteja feito?
Ficará a sobremesa empapada ou seca, sem graça?

Como disse, "Amor com travo agridoce" tinha todos os ingredientes para ser super saboroso. A personagem amorosa, o bad boy com um lado soft (e que sabe cozinhar!), a sedução pelo estômago, a possibilidade de descrições entre rendas e sedas sensuais, a competição pelo coração de Daisy, a melhor amiga que ajuda e precisa ser ajudada, o ex ranhoso, epah....TANTA COISA.
Mas...por mais que tenha gostado do fim e de dois ou três pontos, não fiquei inteiramente satisfeita.
Será que estou a ficar menos susceptível a romances? 
Acho que os policiais e thrillers estão a conseguir virar-me o miolo.

Isto também resultava muito bem como uma daquelas comédias românticas com um chef giro e uma cakemaker com um toquezinho pin-up.

"Amor com travo agridoce" é uma aposta

Sem comentários :